Category: Leituras Recomendadas

O que difere a sabedoria de conhecimento?

Os termos “informação”, “conhecimento” e “sabedoria” são freqüentemente utilizados com o mesmo sentido, o que traz muitas interpretações dúbias e até errôneas, principalmente no que diz respeito aos termos conhecimento e sabedoria.

A informação é o dado em seu estado bruto, captado pelos sentidos de todos os níveis: odor, paladar, imagem, pressentimentos, leituras , palestras , reuniões , etc. O conhecimento é a informação analisada, compreendida e incorporada já sabedoria é o conhecimento submetido ao julgo dos valores, crenças , ética e moral , sendo assim , não há sabedoria sem conhecimento, e nem conhecimento sem informação , podemos dizer que são dados em estágios diferentes de processamento , semelhante a um diamante , ele bruto tem um valor , mas lapidado este valor se multiplica , mas em nenhum momento deixou de ser um diamante.

Se considerarmos a ignorância como a ausência de conhecimento, ainda que a mente possua informação em abundância, esta seria menos perigosa do que o conhecimento que não é feito sabedoria, pois conhecer sem saber é como tentar cortar carne no escuro , você tem todos os elementos , a tabua , a carne , a faca , mas como não pode analisa-los sem os critérios da visão corre-se o rico de estragarmos a carne ou até nos ferirmos.

Viver apenas com conhecimento mas sem sabedoria é como enxergar a vida sem óculos , fica tudo meio embaçado.

Na historia existem diversos exemplos de falta de sabedoria e excesso de conhecimento , mas o melhor deles você pode encontrar observando ao seu redor nas empresas , governos , associações , condomínios etc.

“A sabedoria é o melhor guia e a fé, a melhor companheira. Deve-se pois, fugir das trevas da ignorância e do sofrimento, deve-se procurar a luz da Iluminação.”
Sakyamuni

O ovo cozido

Alguns súditos do Rei David estavam numa festa onde serviram ovos duros. Um homem, aparentemente esfomeado, comeu rapidamente seus ovos e sentiu-se sem jeito de estar sentado ali, diante de um prato vazio. Por isso, sussurrou ao homem sentado do seu lado, pedindo que lhe emprestasse um de seus ovos.

Aproveitando-se do problema do vizinho de mesa, o homem disse que lhe emprestaria o ovo, mas com a condição de que prometesse pagar-lhe, não simplesmente com o ovo, mas com todos os lucros que o ovo poderia vir a lhe trazer a partir daquele momento, até o dia em que o empréstimo deveria ser pago.

O pobre sujeito, diante do prato vazio, não podia pensar em mais nada a não ser no seu problema imediato e prontamente prometeu atender à exigência do homem. Pouco depois ele já esquecera do caso.

Passaram-se alguns anos desde que aquela transação tivera lugar e um dia aquele homem, seu vizinho de mesa, apareceu exigindo o que era de seu direito. Começou a especificar a conta da dívida:

“O ovo teria sido chocado e produzido um pinto; o pinto teria crescido e botado, digamos, dezoito ovos no primeiro ano. Esses ovos teriam sido chocados para darem dezoito pintos cada um, que, por seu turno, teriam botado mais dezoito ovos cada, no segundo ano. No terceiro ano…” [e assim por diante]. Concluindo as contas, o vizinho reclamou o pagamento de toda a fortuna que ele teria juntado naquele período, de acordo com o trato.

O pobre homem que se metera em uma encrenca sem tamanho; ficou horrorizado e não sabia o que fazer para encontrar uma saída a fim de solucionar o problema. Finalmente, concordaram em levar sua disputa diante do Rei David.

Como o homem que reclamava o pagamento da dívida tivesse trazido duas testemunhas para confirmar o caso, e também o devedor não negasse o trato, o Rei David declarou que o devedor não tinha outra alternativa a não ser pagar.

Derrotado e humilhado, o devedor deixou a corte do rei, pensando quanto tempo levaria para pagar a dívida. Subitamente, sentiu que alguém tocava na sua manga e quando olhou, viu o filho do rei, Salomão.

Salomão ainda era um menino, mas interessava-se vivamente no processo de cada caso que era trazido diante de seu pai. Gostava de ficar sentado perto da porta da sala do tribunal e escutar seus sábios julgamentos. Esse caso especial prendera sua atenção até o fim e a decisão do pai o havia surpreendido. O olhar de sofrimento do pobre devedor comoveu o coração do jovem Salomão que lhe ofereceu um conselho:

“Vá ao mercado e compre um pouco de ervilhas. Leve-as para casa, ferva-as e seque-as. Amanhã, vá até a beira da estrada por onde meu pai passará com o seu séqüito; quando estiverem passando, comece a semear no campo estas ervilhas cozidas. Eles forçosamente o observarão a semear em pleno tempo de colheita e quando lhe perguntarem o que está plantando, responda: ‘Estou plantando ervilhas cozidas!”

“Eles naturalmente rirão de tão ridícula idéia e é aqui que você deve aproveitar a oportunidade para dizer bem alto, de modo que meu pai ouça: ‘E como é possível que um ovo cozido seja chocado e desenvolva um pinto?!’ O rei então compreenderá que cometeu um erro e inverterá o veredicto a seu favor!”

De fato, quando o Rei David passava pela estrada, reparou no homem semeando; mandou buscá-lo e perguntou-lhe o que estava plantando.

“Ervilhas cozidas, Majestade”, respondeu o homem, sério.

“E espera que essas ervilhas cozidas produzam alguma coisa?” perguntou o rei, rindo.
“Se um ovo cozido pode produzir um pinto, por que ervilhas cozidas não podem se frutificar?” respondeu o homem.

O sorriso se apagou da face do rei. Lembrou-se do caso que lhe fora exposto no dia anterior e compreendeu o erro que cometera. Imediatamente, mudou a sentença e dispensou o homem de quaisquer pagamentos ao seu credor, a não ser o valor do ovo que havia sido emprestado.

O Rei David compreendeu que aquele homem simples não podia ter inventado um plano tão inteligente e percebeu que deveria ter sido obra do seu sábio filho, Salomão; amou-o mais ainda por isso.

O povo admirou a justiça do Rei David e muito mais a bondade e profunda sabedoria do jovem Salomão, seu futuro rei.

(Autor desconhecido)

fonte: Administradores.com

Cansaço crônico e o consumo de alimentos mortos

Américo Canhoto*

26/02/2010 – Tem dias que o cansaço e o desânimo bate tão forte que temos vontade de ir desta para uma melhor – claro que da boca prá fora; pois, morremos de medo do que vamos encontrar do outro lado da vida; se, a morte representasse a solução de nossos atuais problemas; a maioria já tinha vazado para o lado de lá, para emagrecer; nascer cabelo; livrar-se: dos congestionamentos do trânsito; das enchentes; das malas sem alça dos em torno; das dívidas; da necessidade de trabalhar para pagar impostos que não pediu – ou para conseguir aquela aposentadoria eterna sem precisar passar em nenhum concurso. Mas, pelas fofocas espirituais que se ouvem por aí; não é nada disso; ao que tudo indica lá as coisas funcionam sem férias eternas; protecionismo; corporativismo – do lado de lá não tem mamata; é tudo na base do trabalho e da conquista – Então, o negócio é a gente ir quebrando o galho por aqui mesmo; tentar melhorar a qualidade de vida e arranjar mais disposição para enfrentar o batente do dia a dia.

Se o cansaço que vem aumentando e pegando pesado está nos matando; se nossa vida está se tornando um problema; para resolvê-lo; o primeiro passo é ler o enunciado para encontrar a solução.

Primeira questão: É um problema físico? Mental? Afetivo? Emocional? Espiritual? Falta de objetivos de vida? Hábitos inadequados? Um pouco de cada coisa?

De onde vem tanto cansaço?
Temos sempre uma desculpa ou uma justificativa na ponta da língua: – É o estresse! – É o trabalho! Preciso tirar férias! Preciso tomar umas vitaminas! Estão vampirizando minhas energias!

Read more »

Materiais para estudo

Reiki

  • John Blofeld, The Tantric Mysticism of Tibet: A Pratical Guide To The Theory, Purpose and Techniques of Tantric Meditation, Arkana Books, 1970, pp.36-40).
  • (William L. Rand, Reiki: The Healing Touch, First and Second Degree Manual, Southfield, MI, Vision Publications, 1991,p.2).